Sebrae aproxima comércio bilateral entre Brasil e Argentina

Presidentes do Sebrae Nacional e da Confederação Argentina da Empresa Média trataram da desburocratização das negociações envolvendo pequenas empresas dos dois países

20170703VisitaAfifDomingos088

Foto geral – Participantes do encontro, realizado em Curitiba, no Sebrae/PR. Imagem: Luiz Costa

A sede do Sebrae/PR, em Curitiba, foi sede do primeiro encontro em território brasileiro, de uma reunião entre os presidentes do Sebrae Nacional, Guilherme Afif Domingos, e da Confederação Argentina da Empresa Média (Came), Fabián Tarrio. O encontro, ocorrido na tarde desta segunda-feira (03), foi mais um capítulo do processo de facilitação do comércio bilateral envolvendo pequenas empresas do Brasil e da Argentina, um desdobramento do Seminário Pymes Brasil-Argentina: Simplificación de NuestroComercio, realizado em 29 de maio, em Buenos Aires, que discutiu soluções para os gargalos que travam o comércio entre os dois países.

Os entendimentos com a Argentina fazem parte do projeto Simples Internacional, proposta do Sebrae elaborada com o apoio de parceiros governamentais para reduzir a burocracia e facilitar a logística para pequenos negócios que desejam exportar e importar produtos. Estudo encomendado pelo Sebrae ao Instituto Aliança Procomex mapeou 142 entraves para o comércio exterior de pequenos negócios brasileiros, mais de 60 deles nas relações comerciais entre Brasil e Argentina.

Entre as propostas apresentadas pelo Sebrae está a instituição da figura do operador logístico internacional, que auxilia no desafio da travessia das mercadorias; o uso da moeda local, uma vez que a conversão direta já é regulamentada no Mercosul; além do estabelecimento de aduanas especializadas no tratamento para pequenas empresas. “A venda, muitas vezes, pode ocorrer até pelas redes sociais, mas um dos grandes entraves é a entrega de mercadorias. Temos que fazer um elenco das medidas em absoluto acordo entre nós, para levar aos governos no intuito de iniciar um tratado bilateral”, destacou o presidente do Sebrae.

O presidente da Came reforçou a necessidade de criar mecanismos para fortalecer o Mercosul e enfrentar a investida dos produtos chineses. “Essa reunião traz à Came muita experiência de como trabalhar com as PMEs, porque o Sebrae tem uma longa caminhada nesse tema. Entre hoje e amanhã, nas visitas que faremos aqui em Curitiba, creio que poderemos levar muita coisa de experiência e conhecimento para avançarmos no nosso trabalho lá”, disse Fabián Tarrio.

Um estudo do Sebrae aponta que sete entre dez micro e pequenas empresas brasileiras que conseguem vender para fora do país desistem de permanecer exportando. “O Paraná quer pular a fronteira. A fronteira é seca, dá para pular fácil, mas nós criamos uma Cordilheira dos Andes de burocracia. Hoje mesmo brincaram aqui que, para exportar para a Argentina, vai um contêiner de mercadoria e mais um de papel de burocracia. Isso tem que ser eliminado, com um acordo entre os dois países e apoio dos empreendedores. Temos que ter um livre trânsito de mercadorias, como ocorre na União Europeia”, ressaltou Afif.

O diretor-superintendente do Sebrae/PR, Vitor Roberto Tioqueta, ressaltou a importância deste movimento em favor dos pequenos negócios, em virtude do Paraná ter uma região de fronteira com potencial comercial.

“No Paraná já trabalhamos a cooperação transfronteiriça em projetos de formação de lideranças, empreendorismo e aproximação comercial. Agora, com essa iniciativa junto à Came, podemos estreitar ações, conhecer o potencial de negócios e o perfil das instituições para desenvolvimento de ações futuras de mercado para micro e pequenas empresas”, ponderou Tioqueta.

Supermercadista importador de produtos argentinos há 25 anos, Jefferson Nogaroli, que é presidente do Sicoob Central, destacou a dificuldade logística de trazer mercadorias do país vizinho, sobretudo quando envolve o transporte de líquidos. “As pequenas empresas fora de grandes centros, como São Paulo e Buenos Aires, produzem muitos produtos com água. O leite longa vida, por exemplo, não pode ser trazido de uma distância de mais de 700, 800 quilômetros, que fica muito caro para transportar. É necessário levantar e resolver esses gaps no transporte. Creio que nessa temática, não há parceiro melhor para o Sebrae que a Came, e vice-versa”, afirmou.

Estiveram presentes também na reunião de alinhamento, o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/PR, Ágide Meneguette; diretores do Sebrae/PR, Julio Cezar Agostini e José Gava Neto; o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken; o presidente da Fampepar, Ercílio Santinoni; o superintendente da Fiep, Reinaldo Tockus; o representante do governo do Estado, Mario Doria; e o Secretario de Comercio Exterior da Argentina, Ricardo Diab.

Fonte: Sebrae/PR

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s