Etanol é alternativa mais sustentável para eficiência energética, diz presidente da CNI

Robson Braga de Andrade destacou vantagens do biocombustível em seminário que debateu futuro do etanol na nova política para o setor automotivo

robson-braga-de-andrade-380-artigosNo momento em que o país conclui o desenho do Rota 2030, política que substituirá o InovarAuto para guiar o desenvolvimento do setor automotivo pelos próximos 12 anos, a indústria quer mais espaço para o etanol. No seminário  O Futuro do Etanol no Rota 2030, realizado nesta terça-feira (31), em Brasília, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), especialistas defenderam maior protagonismo do biocombustível na política industrial.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, lembrou que a segurança e eficiência energéticas estão no cerne das transformações industriais e observou a oportunidade de o Brasil liderar a agenda a partir da experiência bem sucedida do desenvolvimento do etanol. “Temos uma tecnologia de ponta consolidada e a oportunidade de influenciar todo o futuro da indústria automotiva a partir dela”, afirmou. “O futuro do etanol pode ser promissor ou não dependendo da nossa visão e atuação”, complementou o presidente do Conselho de Política Industrial da CNI, Glauco Côrte.

A busca por eficiência energética e, consequentemente, redução de gases de efeito estufa para conter o aquecimento global, têm sido objeto de projetos e políticas públicas em todo o mundo para cumprir os compromissos internacionais assinados na COP 21, em 2015. Apesar de o carro elétrico ser considerado por muitos o futuro do transporte, a eletrificação ainda apresenta desafios relevantes, como a baixa densidade energética das baterias, o alto custo, a necessidade de investir em nova infraestrutura. Por outro lado, o etanol alcançou níveis melhores de eficiência, conta com infraestrutura pronta no Brasil e tem custo inferior.

E, segundo Plínio Natari, presidente do Datagro, o etanol já perfoma melhor na emissão de poluentes, emitindo 45g de CO2/km, contra 139g de CO2/km de veículos elétricos europeus. “Hoje o carro flex, usando etanol, é muito melhor do que qualquer carro europeu elétrico. Temos a solução ambientalmente segura, com alto potencial de geração de renda e empregos. Não podemos falar de descarbonização sem falar em biocombustíveis e o Brasil já sai na frente. Nosso desafio agora é saber aproveitar a oportunidade tecnológica”, ressaltou.

TECNOLOGIA NACIONAL – Antonio Megale, presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), afirmou que o setor tem lutado muito para que o etanol ocupe um papel central na estratégia ambiental e de desenvolvimento do setor automotivo no Brasil e sinalizou que as linhas gerais do Rota 2030, que deve ser lançado no ano que vem, indica maior espaço para o biocombustível e prestígio às tecnologias nacionais. Segundo ele, ainda há “muitas possibilidades para melhorar a eficiência do motor do etanol e, com uma política correta, podemos incentivar o consumo de etanol e melhorar os índices de emissão de poluentes”.

Megale lembrou que muitos apostam que a célula a combustível tem maior potencial de energia limpa do que a eletrificação. E, neste cenário, novamente, o etanol larga na frente. “A célula a combutítvel é o futuro e tem potencial extraordinário para o mercado brasileiro, pois é possível fazer a extração do hidrogênio a partir do etanol e transportá-lo na mesma infraestrutura que o Brasil já tem”, avaliou o presidente da Anfavea, sem deixar de ressaltar na necessidade de intensificar pesquisas sobre o tema no país.

SOLUÇÃO LOCAL – Pedro Robério, vice-presidente do Conselho da Agroindústria da CNI (Coagro), lembrou a importância de valorizar as soluções encontradas para o mercado brasileiro. “Não podemos ignorar o desenvolvimento de outras tecnologias para não nos isolarmos, mas temos de valorizar as soluções que criamos aqui”, lembrou. “As tecnologias que desenvolvemos nos últimos anos trouxeram um nível de eficiência energética que tem sido buscado no mundo inteiro. O Brasil tem um papel protagonista nesta agenda”, concluiu Marcos Clemente, diretor do Sindipeças.

Por Ariadne Sakkis
Foto: Miguel Ângelo
Da Agência CNI de Notícias 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s