CNI diz a diplomatas de 80 países que inflação e juros baixos vão ampliar oportunidades no Brasil

Em VIII Briefing Diplomático, executivos da instituição apresentam a representantes das embaixadas estrangeiras no Brasil indicadores econômicos que mostram o fim da recessão

briefing-diplomatico-1140-21117

O Brasil iniciou um processo de recuperação e, apesar do cenário do próximo ano ainda ser de incertezas no cenário político-eleitoral, os principais indicadores da indústria nos últimos seis meses tiveram melhora. Essa é a avaliação do diretor de Políticas e Estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes, que apresentou um panorama da economia brasileira a mais de 100 representantes diplomáticos de 80 países, durante o VIII Briefing Diplomático, nesta terça-feira (21), em Brasília.

“A queda da inflação e a redução dos juros representam uma mudança estrutural importante para o Brasil e, ao persistirem, teremos uma mudança muito forte para o sistema financeiro, com oportunidade para novos players no mercado de crédito. Ao persistir esse cenário benigno, teremos uma revolução no Brasil”, garantiu José Augusto Fernandes.

O diretor da CNI explicou que a economia brasileira teve uma recuperação mais lenta, devido ao elevado grau de endividamento das famílias e das empresas, mas esses dois indicadores também estão melhorando. No momento, disse José Augusto, a taxa de investimento também começa a se recuperar lentamente, principalmente pela elevada capacidade ociosa da indústria.

A CNI também defendeu as reformas para a melhora do ambiente de negócios. “Espero que todos os candidatos a 2018 entendam que se a reforma da Previdência for aprovada nos próximos meses, todos poderão começar seus mandatos discutindo outros temas, num ambiente econômico mais favorável”, disse Fernandes.

O Briefing Diplomático é o principal mecanismo de interação entre o setor industrial e o corpo diplomático em Brasília e ocorre duas vezes ao ano, no primeiro e no segundo semestre, desde 2014. É a primeira vez, nestes três anos, que todos os indicadores medidos pela Confederação Nacional da Indústria evoluíram de forma favorável entre todas as reuniões, indicando o fim da recessão.

Ainda de acordo com José Augusto Fernandes, a confiança do empresário industrial alcançou 56 pontos em outubro, acima da sua média histórica, a produção industrial parou de cair e teve leve melhora, a inflação está abaixo do esperado, o risco país passou de 289 pontos para 243 pontos, a intenção de investimentos subiu de 46,5 para 49,6 e o desemprego também caiu.

COMÉRCIO EXTERIOR – O diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi, afirmou que o Mercosul e a União Europeia estão mais próximas de fecharem um acordo político até o fim do ano. Segundo o gerente-executivo de Assuntos Internacionais da CNI, Diego Bonomo, o Brasil pela primeira vez, nos últimos 20 anos, está mais dedicado a firmar acordos bilaterais, o que não significa que abandonou a estratégia multilateral. “Somos defensores da Organização Mundial do Comércio”, explica Bonomo.

O Brasil tem se dedicado à integração regional, por meio da revitalização econômica da agenda do Mercosul e aos acordos com os países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, Peru e México). Além disso, iniciou as negociações com os países do EFTA (Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein) e a CNI defende ainda negociações com os países da América Central e com o Canadá. “Vivemos hoje em busca de acesso a mercados”, destacou o gerente da CNI.

LEI DE IMIGRAÇÃO – Segundo a Confederação, o Brasil ainda é um país fechado para imigrantes, em especial para mão de obra qualificada. Dados do governo brasileiro mostram que apenas 0,3% da população é composta por imigrantes, um percentual bem abaixo da média mundial de 20%. Além disso, dos mais de 70 mil vistos concedidos em 2016, apenas 4% foram vistos permanentes.

A CNI defende uma legislação com regras claras, simplificadas e desburocratizadas para estimular a entrada de mão de obra qualificada e de investimento de empresas estrangeiras no país. Esses profissionais são necessários para ampliar investimentos em ciência, tecnologia e inovação, além de prestação de serviços. Para a instituição, a ideia é somar e não substituir a força de trabalho nacional.

Para isso, a CNI propõe a facilitação de emissão de visto e reconhecimento de diploma para atrair pesquisadores e cientistas, além de profissionais ligados à assistência técnica de bens importados. A CNI sugere que o empregador que solicitar entrada da mão de obra especializada se responsabilize solidariamente ao exercício profissional do estrangeiro, enquanto o reconhecimento do diploma estiver em curso e que o registro profissional provisório seja aceito até que o registro no conselho profissional seja concedido.

Além da obtenção do visto e do reconhecimento de diploma, os estrangeiros enfrentam demora na emissão do registro nacional de estrangeiros (RNE), carteira de trabalho e previdência social, cadastro de pessoas físicas (CPF), carteira de motorista, processo de prorrogação e transformação de vistos.

Por Adriana Nicacio
Foto: José Paulo Lacerda
Da Agência CNI de Notícias

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s