Sete em cada dez varejistas veem piora na economia em julho

imagem ilustrativa da pesquisa

Icec registrou queda de 4,3% este mês – a maior retração desde agosto de 2015 (-4,7%). Crédito: Ascom/CNC

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou para 103,9 pontos no mês de julho. Na comparação com junho, o indicador teve redução de 4,3%, na série com ajuste sazonal. A decepção com as condições correntes da economia (-13,6%) foi decisiva para trazer o nível de confiança atual ao menor patamar desde agosto de 2017 (103,10 pontos). Para 69,4% dos empresários do comércio entrevistados, houve piora no cenário econômico. Na comparação com julho de 2017, houve aumento de 2,3%.

“Tanto a insatisfação com a situação atual quanto as expectativas para o crescimento da economia impactaram significativamente o indicador de confiança de julho”, afirma Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC.

O levantamento da entidade mostra que, embora a maior parte dos varejistas (73,2%) ainda acredite na melhora da economia nos próximos meses, o grau de otimismo reduziu-se ao menor patamar dos últimos dois anos. Apesar de seguir na zona positiva, com 143,4 pontos, o componente que mede as expectativas dos comerciantes registrou recuo de 2,2% na variação mensal e queda de 1% na comparação com julho de 2017 – a primeira queda anual desde o auge da crise em maio de 2016.

Investimentos: menos contratações nos próximos meses

Diante do cenário corrente menos favorável ao consumo e das expectativas menos positivas para o setor, o subíndice relativo aos investimentos acusou a mesma tendência dos demais indicadores do Icec, recuando 1,8% em relação a junho.

A redução na intenção de contratação nos próximos meses (-2,8%) puxou o subíndice para baixo. Embora esse indicador ainda revele tendência de expansão de emprego no setor em curto prazo, a criação de vagas deve se dar de forma menos intensa.

“A maior parte dos empresários (56,9%) pretende contratar trabalhadores nos próximos meses. Esse percentual, no entanto, já difere significativamente da proporção de varejistas dispostos a contratar em janeiro deste ano (61,1%)”, afirma Bentes.

Do ponto de vista dos estoques, prejudicados pela greve dos caminhoneiros em maio e ainda com reflexos em junho, o abastecimento se encontra normalizado, na medida em que a parcela de empresários com estoques abaixo do adequado no início de junho (15,2%) recuou para 14,7% – percentual praticamente igual ao verificado antes da crise de abastecimento.

 

Fonte: Ascom/CNC
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s