Lava Jato: MPF recorre para manter em São Paulo processo contra Temer por lavagem de dinheiro

Em decisão que contraria lei e determinações do STF, Justiça Federal remeteu caso para Brasília

A Força-Tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo quer evitar que uma ação penal contra o ex-presidente Michel Temer seja remetida à Justiça Federal do Distrito Federal – o que poderia acarretar demora no julgamento. Os procuradores apresentaram um recurso contra a decisão da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo que determinou, a pedido da defesa, o envio a Brasília do processo no qual Temer é acusado, pela própria Força-Tarefa, de lavagem de dinheiro. Entre 2013 e 2014, o ex-presidente tentou ocultar a origem ilícita de R$ 1,6 milhão por meio de uma reforma na casa de sua filha Maristela Temer, na capital paulista. Além de Maristela e do pai, são réus na ação o coronel João Baptista Lima Filho e a mulher dele, a arquiteta Maria Rita Fratezi.

A decisão da 6ª Vara alega que a remessa dos autos é cabível porque haveria conexão entre a ação que tramita em São Paulo e outra em curso no Distrito Federal, na qual Temer também é réu. O processo em Brasília refere-se aos crimes do chamado “quadrilhão do MDB”, grupo de expoentes do partido que embolsou propinas ao longo de uma década a partir de contratos com diversos órgãos públicos. Segundo o juiz João Batista Gonçalves, o dinheiro que o Ministério Público Federal apontou ter sido lavado na reforma da casa de Maristela está relacionado a esses recebimentos irregulares, o que justificaria o envio da ação à capital federal para que todos os crimes sejam apurados e processados em conjunto.

Os argumentos, no entanto, contrariam a legislação e a jurisprudência de tribunais superiores, que preveem o julgamento dos crimes em ações distintas e autônomas. A Lava Jato destaca que não há fundamento para a vinculação dos processos, uma vez que as provas referentes ao funcionamento da organização criminosa teriam pouca relevância para o prosseguimento da ação que trata da ocultação da origem dessas quantias. “Juntar os processos apenas resultaria em prejuízos à apuração de lavagem de dinheiro”, afirma a FT.

“Não há como se imaginar que a instrução voltada a esclarecer o funcionamento de uma complexa organização criminosa, composta por Michel Temer, Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Rocha Loures, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Joesley Mendonça e Ricardo Saudi, ao longo de mais de 10 anos, e com reflexos em todo o território nacional, possa, concretamente, ajudar a esclarecer condutas específicas – e temporalmente delimitadas entre 2013 e 2014 – de reciclagem de ativos, praticadas em São Paulo, notadamente relacionadas à reforma de um imóvel de uma das filhas de um dos muitos réus que respondem naquele feito em trâmite no Distrito Federal”, destacaram os procuradores.

Eles lembram que a própria Lei 9.613/98, que trata da lavagem de dinheiro, fundamenta-se no princípio da autonomia, estabelecendo o julgamento desse tipo de crime em separado a fim de evitar obstáculos ao processo e garantir o efetivo combate à prática ilícita. “A reunião das apurações dos crimes antecedentes e acessórios, em feitos distintos, atualmente em fases distintas de instrução e com narrativas fáticas e jurídicas completamente diferentes, em vez de imprimir maior eficácia à ação penal, retardará ainda mais a efetiva prestação jurisdicional, sem qualquer necessidade”, completaram os integrantes da Força-Tarefa.

STF já decidiu – A decisão da 6ª Vara pela conexão dos processos é contrária a decisões do Supremo Tribunal Federal. Em fevereiro deste ano, o ministro Luís Roberto Barroso definiu que, não mais existindo prerrogativa de foro por parte de Temer, o caso Maristela seria remetido à Justiça Federal em São Paulo para prosseguimento. Antes, em outra ação relacionada à Lava Jato na Corte, o então relator Teori Zavascki já havia estipulado que o local de prática do crime é que determina onde os envolvidos serão processados e julgados. O entendimento vem sendo adotado pacificamente pelos tribunais superiores.

O recurso do MPF será julgado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região. O número da ação de lavagem de dinheiro contra Temer e os demais réus é 0003466-97.2019.4.03.6181. A tramitação pode ser consultada aqui.

Íntegra do recurso do MPF

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Estado de S. Paulo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s