CMN fixa a meta para a inflação em 3,25% para 2023

A decisão mantém o ritmo de trajetória de redução da meta em 0,25 pontos percentuais ao ano

Edifício-Sede do Banco Central do Brasil em Brasília

O Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão colegiado presidido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e composto pelo presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos, e pelo secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, aprovou, em reunião ordinária realizada na data de hoje, dia 25 de junho, a seguinte resolução proposta pelo Ministério da Economia: fixou a meta para a inflação em 3,25% para 2023 com margem de tolerância de um e meio ponto percentual (1,5%) para mais ou para menos. A decisão mantém o ritmo de trajetória de redução da meta em 0,25 pontos percentuais ao ano, conforme tem sido feito desde 2017, direcionando o Brasil gradualmente para patamares de meta de inflação observados por parte substancial das economias emergentes.

Com isso há redução de incertezas, e aumento da capacidade de planejamento das famílias, empresas e governo. Ao mesmo tempo, a decisão de reduzir a meta de inflação é coerente com a elevada credibilidade da política monetária. Nesse aspecto, vale destacar que a expectativa de inflação futura, projetada no Boletim Focus, se mostrou ancorada à trajetória de reduções da meta anteriores, e a variância das expectativas de inflação tem caído substancialmente com as reduções da meta. Tais evidências revelam que a política monetária e, logo, a meta são críveis, o que elimina os possíveis custos de redução da meta.

A perspectiva de redução estrutural da inflação foi beneficiada pela consolidação fiscal da economia, obtida a partir de medidas como a aprovação e preservação do teto de gastos e da Nova Previdência, que produziram expectativas de uma redução na trajetória de gastos, criando um ambiente favorável para uma redução estrutural da inflação e dos juros de equilíbrio. Mesmo diante de choques adversos, o compromisso do governo com o equilíbrio fiscal intertemporal, refletido na manutenção do Teto de Gastos, mantém o ambiente favorável à estabilidade macroeconômica.

A crise causada pela pandemia da Covid-19 afeta a economia brasileira por diversos canais com um resultado líquido sobre os preços altamente desinflacionário, de forma que uma redução da meta para 2023 não implica custos adicionais aos já provocados pela pandemia. Além disso, mesmo diante da piora do quadro fiscal causada pela crise, as reformas já aprovadas e a determinação de manter o equilíbrio fiscal e o Teto de Gastos criam um ambiente de expectativas de controle de gastos que minimiza os riscos sobre a inflação.

A inflação traz custos substanciais para a sociedade, reduzindo os rendimentos reais de capital e trabalho, e, portanto, desestimulando a atividade produtiva, além de criar um ambiente de ineficiência alocativa, uma vez que altera os preços relativos de forma não estrutural, reduzindo o bem estar. A decisão de redução da meta produz então um ambiente estável e previsível, estimulando o investimento e a produção e elevando o bem-estar da sociedade brasileira.

As metas de inflação para 2020, 2021 e 2022 foram mantidas: 2020 – 4% a.a.; 2021 – 3,75% a.a.; 2022 – 3,5% a.a.

Fonte: Ministério da Economia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s