IPCA foi de 1,62% em março

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março teve alta de 1,62%, 0,61 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de 1,01% de fevereiro. Essa é a maior variação para um mês de março desde 1994, quando o índice foi de 42,75%, no período que antecedeu a implementação do Real. No ano, o IPCA acumula alta de 3,20% e, nos últimos 12 meses, de 11,30%, acima dos 10,54% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em março de 2021, a variação mensal foi 0,93%.

PeríodoTaxa
Março de 20221,62%
Fevereiro de 20221,01%
Março de 20210,93%
Acumulado no ano3,20%
Acumulado nos últimos 12 meses11,30%

Oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em março. A maior variação (3,02%) e o maior impacto (0,65 p.p.) vieram dos Transportes, que aceleraram na comparação com o resultado de fevereiro (0,46%). Na sequência, veio o grupo Alimentação e bebidas, com alta de 2,42% e 0,51 p.p. de impacto. Juntos, os dois grupos contribuíram com cerca de 72% do IPCA de março. Além deles, houve aceleração também nos grupos Vestuário (1,82%), Habitação (1,15%) e Saúde e cuidados pessoais (0,88%). O único com queda foi Comunicação, com -0,05%. Os demais ficaram entre o 0,15% de Educação e o 0,59% de Despesas pessoais.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
FevereiroMarçoFevereiroMarço
Índice Geral1,011,621,011,62
Alimentação e Bebidas1,282,420,270,51
Habitação0,541,150,090,18
Artigos de Residência1,760,570,070,02
Vestuário0,881,820,040,08
Transportes0,463,020,100,65
Saúde e Cuidados Pessoais0,470,880,060,11
Despesas Pessoais0,640,590,060,06
Educação5,610,150,310,01
Comunicação0,29-0,050,010,00
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

O resultado do grupo Transportes (3,02%) foi influenciado, principalmente, pela alta nos preço dos combustíveis (6,70%), em particular, o da gasolina (6,95%), subitem com maior impacto individual (0,44 p.p.) no índice do mês. Cabe lembrar que, no dia 11 de março, o preço médio de venda da gasolina da Petrobras para as distribuidoras foi reajustado em 18,77%. Além disso, houve altas nos preços do gás veicular (5,29%), do etanol (3,02%) e do óleo diesel (13,65%). Os dois últimos contribuíram conjuntamente com 0,06 p.p. no IPCA de março.

Além dos combustíveis, a aceleração do grupo Transportes também está relacionada à alta nos preços de alguns serviços, como o transporte por aplicativo (7,98%), o seguro voluntário de veículo (3,93%) e o conserto de automóvel (1,47%). Os automóveis novos (0,47%) e usados (0,76%) também seguem em alta, embora as variações tenham sido menores que as do mês anterior (1,68% e 1,51%, respectivamente). Nos transportes públicos, a variação positiva do ônibus urbano (1,27%) deve-se aos reajustes nos preços das passagens em Curitiba (20,22%), com reajuste de 22,23% a partir de 1º de março; São Luís (5,14%) com aumento de 5,40%, em vigor desde 27 de fevereiro; Recife (4,86%), reajuste de 9,33%, vigente desde 13 de fevereiro; e Belém (1,11%) com reajuste de 11,11%, a partir de 28 de março.

Ainda em Transportes, o destaque no lado das quedas foram as passagens aéreas, com -7,33% de variação e -0,03 p.p. de impacto. A metodologia aplicada no IPCA considera uma viagem marcada com dois meses de antecedência, ou seja, a variação observada no mês reflete a coleta de preços feita em janeiro para viagens realizadas em março.

Já a aceleração em Alimentação e bebidas (2,42%) decorre, principalmente, da alta nos preços dos alimentos para consumo no domicílio (3,09%). A maior contribuição (0,08 p.p.) dentro do grupo veio do tomate, cujos preços subiram 27,22% em março. Além disso, foram registradas altas em diversos produtos, como a cenoura (31,47%), que acumula alta de 166,17% em 12 meses, o leite longa vida (9,34%), o óleo de soja (8,99%), as frutas (6,39%) e o pão francês (2,97%).

Na alimentação fora do domicílio (0,65%), a refeição, que havia ficado próxima da estabilidade em fevereiro (0,02%), registrou alta de 0,60% em março. Já o lanche teve alta de 0,76%, frente ao 0,85% observado no mês anterior.

Outro grupo a acelerar na passagem de fevereiro para março foi Vestuário, com alta de 1,82%. Todos os itens que compõem o grupo tiveram variação positiva, com destaque para as roupas femininas (2,32%) e os calçados e acessórios (2,05%). Os preços das joias e bijuterias, que haviam caído em fevereiro (-0,36%), voltaram a subir (1,18%).

O grupo Habitação teve alta de 1,15% em março, puxado pelo aumento dos preços do gás de botijão (6,57%). No dia 11 de março, houve reajuste de 16,06% no preço médio de venda do GLP para as distribuidoras. Além disso, a alta de 1,08% da energia elétrica também contribuiu para o resultado do grupo. As variações nas áreas foram desde -3,18% em Recife, onde houve redução de PIS/Cofins até 4,66% no Rio de Janeiro, onde foram aplicados reajustes de 15,58% e 17,30% nas duas concessionárias de energia pesquisadas, ambos a partir de 15 de março.

Ainda em Habitação, destaca-se a alta de 4,23% no gás encanado. Em Curitiba (24,75%), as tarifas de gás foram reajustadas em 26% no dia 25 de fevereiro. Já no Rio de Janeiro (5,02%), foram aplicados um reajuste no dia 12 de fevereiro, de 2,95%, e outro em 16 de março, de 7,72%. A variação positiva da taxa de água e esgoto (0,11%) decorre dos reajustes em Aracaju (4,79%), de 5,00%, em vigor desde 1º de março; Goiânia (0,89%) com aumento de 8,98%, vigente desde 1º de fevereiro; e Fortaleza (0,22%), reajuste de 6,71%, implementado em 30 de janeiro.

O resultado do grupo Saúde e cuidados pessoais (0,88%) foi influenciado, principalmente, pelas altas dos itens de higiene pessoal (2,25%) e dos produtos farmacêuticos (1,32%). O plano de saúde (-0,69%) segue com variação negativa, refletindo o reajuste negativo de -8,19% aplicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no ano passado.

RegiãoPeso Regional (%)Variação (%)Variação
Acumulada (%)
FevereiroMarçoAno12 meses
Curitiba8,091,282,404,2014,37
Goiânia4,170,912,103,7912,18
São Luís1,621,332,063,9812,22
Campo Grande1,571,061,733,4412,02
Fortaleza3,230,771,693,2111,31
Rio de Janeiro9,431,321,673,6411,03
Porto Alegre8,610,431,611,5010,38
Recife3,920,971,532,9411,53
Salvador5,990,831,533,2612,13
Vitória1,860,861,502,9611,94
Belém3,940,971,473,129,10
São Paulo32,281,051,463,1711,04
Belo Horizonte9,691,071,443,3510,75
Aracaju1,031,261,433,6411,31
Brasília4,060,931,412,869,53
Rio Branco0,510,931,353,1812,19
Brasil100,001,011,623,2011,30
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

Todas as áreas pesquisadas tiveram alta em março. A maior variação ocorreu na região metropolitana de Curitiba (2,40%), onde pesaram as altas da gasolina (11,55%), do etanol (8,65%) e do ônibus urbano (20,22%). Já a menor variação foi registrada no município de Rio Branco (1,35%), onde houve queda nos preços das passagens aéreas (-11,33%) e do frango inteiro (-2,10%).

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 26 de fevereiro e 30 de março de 2022 (referência) com os preços vigentes entre 29 de janeiro e 25 de fevereiro de 2022 (base). O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Fonte: IBGE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s