Comércio em Santa Catarina tem a menor queda de vendas do País

Segundo a Fecomércio SC, a retração do comércio no Estado foi menor por ter adotado com celeridade as medidas de isolamento social, podendo retomar as atividades em abril. Crédito Fecomércio-SC

O varejo catarinense amargou queda de 4,3% no volume de vendas, em abril, primeiro mês impactado do início ao fim pela pandemia, conforme aponta a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada na terça-feira (16/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Ainda que o resultado seja negativo e abaixo do registrado em março (-3,2%), foi o melhor desempenho entre todos os Estados da Federação. Somando os dois meses, Santa Catarina acumulou queda de 7,4%, contra 18,6% da média nacional, a maior variação negativa desde o início da série histórica em 2000.

Considerando o varejo ampliado, que inclui o comércio de veículos e materiais de construção, a queda é ainda mais significativa (-19,7%), porém o índice é superior à média nacional (-27,1%), na comparação com o mês anterior. Todos os grupamentos de atividades apresentaram recuo no País, incluindo supermercados (-11,8%) e farmácias (-17%), considerados atividades essenciais. O setor de vestuário (-60,6%) foi o mais afetado, seguido por livros, jornais, revistas e papelaria (-43,4%).

“A retração do comércio em Santa Catarina foi menor do que no resto do País possivelmente porque o Estado adotou em março as medidas de isolamento social, com o fechamento dos estabelecimentos, e pôde começar a abrir as portas no dia 13 de abril, com a retomada gradual das atividades”, avalia o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt. O mercado de trabalho catarinense foi duramente impactado e registrou em abril o pior resultado desde 2004.

Os dados também apontam uma mudança significativa na relação entre volume de vendas e receita nominal. Enquanto em março a maioria dos estados observou uma queda menor na receita do que no volume, em abril a média nacional inverteu. Dobrou o número de estados (11) em que a variação da receita nominal foi mais negativa do que o volume.

Santa Catarina é o estado que mais se destaca nessa disparidade, com redução de 9,2% nas receitas do varejo, ainda assim a menor retração do Brasil. Este movimento indica que há um processo de redução do ticket médio do comércio, fenômeno associado às incertezas e quedas de renda e emprego, que levam a uma redução do consumo não apenas em volume, mas também em valor.

Fonte: Ascom/CNC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s